As vacinas contra a COVID-19 são seguras?

A segurança das vacinas é sempre a prioridade máxima e isso não é diferente no caso das vacinas contra a COVID-19. Todas elas passam por várias fases de ensaios clínicos antes de serem aprovadas para uso na população. Esses ensaios visam garantir a segurança da vacina e sua capacidade de proteger da doença (eficácia).

As vacinas contra a COVID-19 que estão sendo desenvolvidas estão seguindo essas mesmas fases. Nenhum imunizante será aprovado ou disponibilizado nos países para uso na população em geral até que sua segurança tenha sido comprovada pelas agências reguladoras. Da mesma forma, a OMS não incluirá nenhuma vacina em sua lista para uso emergencial até que tenha analisado todos os dados dos ensaios clínicos. Depois que uma vacina contra a COVID-19 for aprovada, o monitoramento de segurança continuará e é parte normal dos programas de imunização.

 


As vacinas contra a COVID-19 são eficazes?

As vacinas contra a COVID-19 que já foram autorizadas para uso em alguns países forneceram informações – provenientes de seus ensaios clínicos – sobre a sua eficácia em prevenir a doença. As agências reguladoras nacionais analisaram esses dados antes de autorizá-las. A eficácia das vacinas continua sendo monitorada de perto, mesmo depois de terem sido aprovadas em um país. Somente os imunizantes que se mostraram eficazes em serão aprovados para uso na população.

 


Como o uso de uma vacina é autorizado?

Por uma autoridade reguladora nacional: fabricantes de vacinas contra a COVID-19 cujo uso já foi autorizado em alguns países demonstraram, mediante estudos clínicos, o quanto elas são eficazes em prevenir a doença. As agências reguladoras nacionais, então, analisam esses dados e decidem autorizar ou não a vacina. Mesmo depois de terem sido introduzidas em um país, a eficácia e a segurança das vacinas continuam sendo monitoradas de perto.

Pela listagem de uso emergencial da OMS: este é um procedimento baseado em riscos para avaliar e listar vacinas não licenciadas, terapias e diagnósticos in vitro, com o objetivo final de acelerar a disponibilidade desses produtos para pessoas afetadas por uma emergência de saúde pública. Também permite que os países agilizem seus próprios processos de aprovação regulatória para importar e aplicar vacinas contra a COVID-19.

 


Vacinas contra a COVID-19 exigem aprovação da OMS antes de serem utilizadas em um país?

Não, a lista de uso emergencial da OMS avalia a qualidade, segurança e eficácia das vacinas contra a COVID-19 e é um pré-requisito para o fornecimento de vacinas pelo mecanismo COVAX. Também permite que os países agilizem seus próprios processos de aprovação regulatória para importar e aplicar vacinas contra a COVID-19.

No entanto, os países e as autoridades reguladoras nacionais (ARN) podem aprovar o uso de uma vacina contra a COVID-19 em um país sem que a vacina tenha sido incluída na lista de uso emergencial da OMS.

Somente as vacinas comprovadamente seguras e eficazes em prevenir a doença serão aprovadas para uso na população.

 


Como as pessoas poderão acessar as vacinas contra a COVID-19?

As pessoas poderão acessá-las por meio dos Programas Nacionais de Imunização de seus países.

 


Qual vacina devo tomar? Qual delas é melhor?

A OPAS incentiva as pessoas a tomarem qualquer vacina contra a COVID-19 que lhes seja oferecida pela autoridade nacional de saúde, assim que chegar sua vez na fila.

 


As vacinas contra a COVID-19 contêm algum componente perigoso e tóxico?

Não. Embora os componentes listados nas bulas das vacinas possam soar alarmantes (por exemplo, tiomersal, alumínio, formaldeído), de modo geral essas substâncias são encontradas naturalmente no corpo humano, nos alimentos que consumimos e no ambiente ao nosso redor, como no atum que comemos. As quantidades contidas nas vacinas são muito pequenas e não “envenenarão” nem danificarão o organismo.

 


É melhor pegar a COVID-19 naturalmente do que tomar uma vacina?

Não. As vacinas conferem imunidade sem os efeitos nocivos que a COVID-19 pode ter no organismo (inclusive efeitos a longo prazo e risco de morte). Permitir que a doença se espalhe até que a imunidade coletiva (ou de rebanho) seja alcançada causaria milhões de mortes e forçaria ainda mais pessoas a viverem com os efeitos do vírus a longo prazo.

 


Quanto tempo dura a imunidade da vacina contra a COVID-19?

Ainda há muitas incógnitas em relação à maioria das vacinas candidatas contra a COVID-19. Ainda não sabemos quanto tempo dura a proteção conferida pelas vacinas autorizadas para uso emergencial. Essa e outras perguntas serão respondidas nos próximos meses, conforme forem realizados estudos mais detalhados.

 


A vacinação contra a COVID-19 será necessária todos os anos?

Até o momento, as pesquisas para determinar a duração da imunidade (proteção) conferida pelas vacinas contra a COVID-19 atualmente disponíveis seguem em andamento. Além disso, a proteção das vacinas contra as novas variantes do SARS-CoV-2 continua a ser objeto de estudo. Teremos respostas para essas e outras perguntas conforme mais estudos forem realizados nas populações vacinadas para determinar se a vacinação anual ou com periodicidade diferente será necessária.

 


Diferentes vacinas contra a COVID-19 podem ser usadas no mesmo país?

Sim, isso é possível. Na realidade, é possível que o seu país não só possa como precise usar vacinas de diferentes plataformas ou fabricantes. Por este motivo, a OPAS/OMS recomenda fortalecer os sistemas de registro de imunização, que são essenciais para rastrear o tipo de vacina recebida por cada pessoa e acompanhar quando a segunda dose deve ser aplicada. A OPAS também recomenda que todas as pessoas vacinadas mantenham sua caderneta de vacinação em mãos.

 


Como a campanha de vacinação de COVID-19 será sincronizada com as campanhas anuais de vacinação contra a gripe?

A OPAS/OMS recomenda que as vacinas contra a COVID-19 não sejam aplicadas ao mesmo tempo que outras vacinas, inclusive contra a gripe. Deve haver um intervalo de pelo menos 14 dias entre elas. Esta recomendação pode mudar conforme mais evidência se tornar disponível.

Todos os países devem seguir com seus programas de vacinação de rotina durante a pandemia, inclusive a vacinação contra a gripe em países onde essa vacina é administrada – principalmente para populações de alto risco.

 


Como as vacinas contra a Covid-19 foram desenvolvidas tão rápido?

As vacinas contra a COVID-19 são o resultado de anos de pesquisa sobre novas tecnologias e se baseiam nas lições aprendidas ao longo de anos de trabalho para desenvolver vacinas contra SARS e MERS, assim como nas vacinas já disponíveis contra o Ebola. Considerando a atual pandemia de COVID-19, instituições, o setor privado e pesquisadores no mundo todo estão trabalhando numa velocidade e escala sem precedentes, para desenvolver vacinas seguras e eficazes contra a COVID-19, que foram feitas em aproximadamente 12-18 meses, como as que já estão sendo aplicadas na população mundialmente.

 


Por que mesmo tomando as vacinas é preciso continuar seguindo as medidas de saúde pública?

A OPAS (Organização Pan-Americana da Saúde) e a OMS (Organização Mundial da Saúde)  recomendam que as precauções contra a transmissão da COVID-19 sejam mantidas mesmo por quem já estiver vacinado, até que as pesquisas sejam conclusivas. As vacinas diminuem as chances de se pegar a doença ou que os sintomas sejam mais leves, mas ela não impete que os imunizados possam contrair a doença 100%.

Assim, todas as pessoas que tomarem vacinas precisam continuar mantendo todas as medidas de prevenção – como distanciamento físico, uso de máscaras e lavar as das mãos. 

 


É possível pegar Covid-19 de uma pessoa que não apresenta sintomas?

Sim, é possível. A principal maneira pela qual a doença se espalha é por gotículas respiratórias expelidas por alguém que está tossindo ou tem outros sintomas como febre e cansaço. Muitas pessoas com COVID-19 experimentam apenas sintomas leves, particularmente nos estágios iniciais da doença. É possível pegar COVID-19 de alguém com tosse leve e que não se sente doente. Alguns relatórios indicaram que pessoas sem sintomas podem transmitir o vírus. Ainda não se sabe com que frequência isso acontece.

 


Como podemos proteger aos outros e a nós mesmos se não sabemos quem está infectado?

Praticar a higiene das mãos e respiratória é importante em TODOS os momentos e é a melhor maneira de proteger aos outros e a si mesma(o). Sempre que possível, mantenha uma distância de pelo menos 1 metro entre você e os outros, principalmente se você estiver ao lado de alguém que tosse ou espirra. Como algumas pessoas infectadas podem não estar ainda apresentando sintomas ou os sintomas podem ser leves, manter uma distância física de todos é uma boa ideia se você estiver em uma área onde a Covid-19 está circulando.

 


Quanto tempo após tomar a vacina uma pessoa fica imunizada contra a Covid-19?

Para estimular a imunidade da pessoa contra o vírus, a maioria das vacinas que estão sendo aplicadas no Brasil precisam de uma segunda dose e um período de tempo para que o organismo dê uma resposta imunológica protetora. Cada vacina tem orientações específicas, mas, em geral, isto acontece após 10 a 20 dias depois da segunda dose.

 


Pulverizar ou passar água sanitária (ou outro desinfetante) no corpo protege contra COVID-19?

Não, inclusive isso é muito perigoso. Nunca pulverize ou passe água sanitária (ou outro desinfetante) no seu corpo. Essas substâncias são tóxicas se ingeridas e podem causar irritação e danos à pele e aos olhos. Água sanitária e desinfetantes só devem ser usados com cuidado para desinfetar superfícies. Mantenha os produtos de limpeza fora do alcance das crianças.

 


Comer alho pode ajudar a prevenir a COVID-19?

Não. O alho é um alimento saudável que pode ter algumas propriedades antimicrobianas. No entanto, não há evidências de que comer alho proteja as pessoas da doença.

 


Antibióticos são eficazes na prevenção e tratamento do novo coronavírus?

Não, os antibióticos são eficazes apenas contra bactérias, não contra vírus. A COVID-19 é causada por um vírus. Logo, os antibióticos não devem ser usados para sua prevenção ou tratamento. Porém, pacientes hospitalizados com a doença podem receber antibióticos para tratar infecções bacterianas concomitantes.

 


FATO: Tomar banhos quentes NÃO previne contra a COVID-19

Tomar banhos quentes não previne que você pegue a COVID-19. Independentemente da temperatura do chuveiro ou banheira, sua temperatura corporal permanece em torno de 36,5°C e 37°C. Na verdade, tomar banho com a água muito quente pode causar queimaduras.

A melhor maneira de se proteger contra a COVID-19 é limpar as mãos frequentemente. Assim, você elimina os vírus que possam estar nas suas mãos e evita se infectar ao tocar seus olhos, boca e nariz.

 


O novo coronavírus pode sobreviver em climas quentes e úmidos?

Onde quer que você viva, independentemente do clima da sua cidade, é importante seguir e manter medidas de proteção como lavar as mãos frequentemente com água e sabão, cobrir a boca e o nariz ao tossir ou espirrar com cotovelo dobrado ou lenço de papel.

 


FATO: Os corticoides (dexametasona e hidrocortisona) são recomendados para pacientes de COVID-19 graves e críticos sob supervisão médica.

Uma revisão de oito estudos randomizados com mais de 7 mil pacientes descobriu que o tratamento sistêmico (intravenoso ou oral) reduz a mortalidade entre este grupo. Porém, a OMS NÃO recomenda o uso de corticoides para pacientes não graves, pois isso pode aumentar o risco de complicações e efeitos adversos.

 


O que devo usar para limpar as superfícies e me proteger da COVID-19?

Use água e sabão/detergente ou álcool 70%. Em caso de limpeza de banheiros, cozinhas e outros espaços da casa, utilize os mesmos desinfetantes domésticos comuns que usa regularmente.

Sempre proteja suas mãos com luvas de borracha, por exemplo, ao usar esses produtos. Dilua a água sanitária com água, de acordo com as instruções da embalagem.

 


É seguro receber encomendas de outros países?

Pessoas que recebem encomendas que saem de outros países não correm o risco de contrair a COVID-19. Sabemos que o novo coronavírus não sobrevive por muito tempo em superfícies e objetos, como cartas e pacotes.

 


O uso de enxaguante bucal pode proteger da COVID-19?

Não existem evidências que comprovem isso. Algumas marcas de enxaguante bucal podem eliminar certos microrganismos da saliva por alguns minutos. No entanto, isso não significa que eles protejam contra a infecção por COVID-19.

 


Expor-se ao sol ou temperaturas acima de 25°C pode prevenir ou curar a COVID-19?

Você pode pegar COVID-19 independentemente de quão ensolarado ou quente o clima esteja. Países com climas quentes também notificam casos da doença. Para se proteger, lave frequentemente as mãos com água e sabão, evite tocar no rosto, cubra a boca e o nariz ao tossir ou espirrar, use máscara facial quando for solicitado e evite aglomerações.

 


A flutamida é capaz de prevenir ou curar a COVID-19?

A flutamida é um medicamento usado para o tratamento do câncer de próstata. Não há evidências de que seja capaz de prevenir ou curar a COVID-19. Para prevenir essa doença, as melhores  estratégias são lavar as mãos com frequência, usar máscara corretamente, manter distância física das outras pessoas e se vacinar contra a COVID-19 quando chegar a sua vez. Vale ressaltar que a OPAS e a OMS recomendam que as pessoas não se automediquem.

 


FATO: A hidroxicloroquina NÃO reduz a mortalidade de pacientes hospitalizados com COVID-19.

A OMS está coordenando os esforços para desenvolver e avaliar medicamentos para tratamento da COVID-19. A OMS interrompeu os testes com hidroxicloroquina em pacientes graves hospitalizados, pois os dados do estudo Solidariedade mostraram que ela não reduz a mortalidade de pacientes internados com COVID-19.

 


FATO: Lâmpadas ultravioleta (UV) NÃO devem ser usadas para desinfetar as mãos ou outras áreas da pele.

A radiação ultravioleta pode causar irritações na pele e danos aos olhos. Limpar as mãos com álcool em gel ou lavá-las com água e sabão são as maneiras mais eficazes de eliminar o vírus da COVID-19.

 


Usar luvas de borracha ao sair de casa é efetivo para prevenir a COVID-19?

O que mais pode te proteger da doença é lavar frequentemente as mãos com água e sabão ou álcool em gel. Mesmo usando luvas, você pode, sem querer, acabar tocando seu rosto e se infectar pelo novo coronavírus.

 


O uso prolongado de máscaras pode causar intoxicação por CO2 ou deficiência de oxigênio?

Usar máscaras pode até ser desconfortável, mas não leva a nenhum destes dois quadros. Ao utilizar o acessório, assegure-se de que caiba em seu rosto e esteja justo o suficiente para permitir que você respire normalmente. Não reutilize máscaras descartáveis e sempre que a sua começar a ficar úmida, troque por outra.

 


A máscara é indicada durante a prática de exercícios físicos?

As pessoas NÃO devem usar máscaras ao praticar exercícios, pois elas podem reduzir a capacidade de respirar confortavelmente.

O suor pode fazer com que a máscara fique úmida mais rapidamente, dificultando a respiração e promovendo o crescimento de microrganismos. A medida preventiva mais importante é manter o distanciamento físico de pelo menos 1 metro e assegurar uma boa ventilação durante o exercício.

Se a atividade ocorrer em um local fechado, deve-se sempre garantir uma ventilação adequada, usando ventilação natural ou um sistema de ventilação que funcione corretamente e esteja em boas condições. Deve-se prestar atenção especial à limpeza e desinfecção do ambiente, principalmente as superfícies de alto contato.

É importante lembrar que, se não for possível garantir o cumprimento de todas as medidas acima, deve-se considerar o fechamento temporário dos locais destinados a exercícios (por exemplo, academias). Para mais informações, clique aqui.

 


Existem medicamentos capazes de prevenir precocemente ou tratar a COVID-19?

Até o momento, as pessoas com a doença devem receber o atendimento adequado para aliviar e tratar sintomas. Pessoas com complicações graves devem receber atendimento especializado. Diversos medicamentos passam por estudos clínicos, mas até o momento, nenhum mostrou evidência o suficiente de que previne ou trata a infecção. Alguns medicamentos se mostraram eficazes no apoio ao tratamento de pessoas com a doença em condição grave, como é o caso da dexametasona – que demonstrou reduzir a mortalidade em cerca de um terço para pacientes em ventilação mecânica e em cerca de um quinto para os que requerem apenas oxigênio.

 


Metanol, etanol e água sanitária são substâncias tóxicas que podem causar lesões graves e morte se ingeridas.

Elas costumam ser usadas como produtos de limpeza para desinfecção de superfícies, mas você nunca deve bebê-las. Elas não matam os vírus que já estão dentro do corpo e causam danos aos órgãos internos.

Para se proteger contra a COVID-19 desinfete objetos e superfícies com água sanitária diluída ou álcool, especialmente o que for tocado com regularidade. Limpe bem as mãos frequentemente e evite tocar seus olhos, boca e nariz.

 


FATO: O vírus da COVID-19 não é transmitido pela água durante a natação.

Porém, o vírus se espalha entre as pessoas quando elas têm contato próximo com alguém infectado.

COMO SE PROTEGER:
Evite aglomerações e mantenha pelo menos 1 metro de distância de outras pessoas, mesmo quando estiver nadando ou nas áreas de aula. Use máscara quando estiver fora da água e não puder manter distância. Limpe as mãos frequentemente, cubra tosses e espirros com um lenço de papel ou com o cotovelo dobrado e fique em casa se não se sentir bem.

 


O coronavírus afeta somente pessoas mais velhas ou jovens também podem contrair o vírus?

Pessoas de todas as idades podem ser infectadas pelo novo coronavírus. Idosos e pessoas com condições médicas pré-existentes (como asma, diabetes e doenças cardíacas) têm maior probabilidade de ficar gravemente doentes com o vírus.

A recomendação da OMS é que pessoas de todas as idades sigam as medidas de proteção, como limpar bem as mãos frequentemente e seguir bons hábitos de higiene.

 


A OPAS ou a OMS divulgaram alguma receita caseira de álcool em gel?

As organizações internacionais NÃO divulgaram nenhuma receita de álcool em gel que possa ser feita em casa. Este processo de produção caseira pode ser prejudicial para sua saúde.

A recomendação da OPAS e da OMS continua sendo a mesma: lavar as mãos com água e sabão ou com algum higienizador à base de álcool. Ambas as formas são capazes de matar os vírus que podem estar nas mãos.

 


É possível se recuperar da COVID-19?

Contrair a doença não significa que você a terá para sempre. A maioria das pessoas que tiveram a doença podem eliminar o vírus de seus corpos e se recuperar.

Se você tiver a doença, certifique-se de tratar os sintomas. Se você apresentar tosse seca, febre e/ou dificuldade de respirar, busque atenção médica o mais rápido possível. Grande parte dos pacientes se recuperam graças aos cuidados de apoio.

 


Reduza seu risco de infecção pelo coronavírus

Limpe as mãos frequentemente com álcool em gel ou água e sabão.

Ao tossir ou espirrar, cubra sua boca e nariz com o cotovelo dobrado ou um lenço de papel. Jogue o lenço fora imediatamente e lave as mãos.

Evite contato próximo com qualquer pessoa que tenha febre ou tosse.

 


Lavar o nariz regularmente com solução salina pode prevenir a COVID-19?

Não existem evidências de que lavar o nariz com soluções salinas impeça que as pessoas tenham a doença.

Há apenas evidência limitada de que isso pode ajudar pessoas a se recuperarem mais rapidamente de um resfriado comum. Apesar disso, a lavagem regular do nariz não demonstrou prevenir infecções respiratórias.

 


Sapatos podem transmitir o vírus da COVID-19?

A probabilidade de a COVID-19 ser transmitida pelos sapatos e infectar pessoas é muito baixa.

Como medida de precaução, recomenda-se deixar os sapatos na entrada de casa, especialmente se bebês e crianças pequenas engatinham ou brincam no chão. Isso evita o contato com sujeiras e resíduos na sola dos sapatos.

 


Os scanners térmicos são eficazes na detecção de pessoas com febre (ou seja, com temperatura corporal acima do normal).

Porém, não detectam pessoas que estão infectadas com COVID-19.

Existem muitas causas para a febre. Ligue para seu provedor de saúde se precisar de assistência ou procure atendimento médico imediato caso tenha febre e more em uma área com incidência de malária ou dengue.

 


Secadores de mãos são eficazes para matar o novo coronavírus?

Não. Os secadores de mãos não são eficazes para matar o vírus da COVID-19.

Para se proteger, limpe as mãos  regularmente com álcool em gel ou lave-as com água e sabão. Em seguida, seque bem as mãos usando toalhas de papel ou um secador de ar quente.

 


Suplementos de vitaminas e minerais são capazes de prevenir e curar a COVID-19?

Micronutrientes como as vitaminas D e C e zinco são essenciais para um bom funcionamento do sistema imunológico, mas não há orientação sobre o uso de suplementos para a prevenção e/ou tratamento da COVID-19.

A OPAS e a OMS coordenam esforços para desenvolver e avaliar medicamentos potencialmente capazes de tratar a infecção.

 


As vacinas para animais contra o coronavírus protege humanos da COVID-19?

As vacinas animais não devem ser aplicadas em humanos, pois podem causar efeitos colaterais locais e sistêmicos.

Os coronavírus pertencem a uma grande família de vírus que circulam entre animais silvestres e domésticos, mas saiba que o vírus identificado em cachorros e gatos não são transmissíveis aos seres humanos.

 


Vacinas contra pneumonia protegem do novo coronavírus?

Não. As vacinas contra pneumonia, como a pneumocócica e Haemophilus influenzae tipo B (Hib), não fornecem proteção contra o novo coronavírus.

O vírus é tão novo e diferente que exige sua própria vacina. Com o apoio da OMS, pesquisadores estão desenvolvendo vacinas específicas contra o vírus da COVID-19. Embora essas vacinas não sejam eficazes contra a COVID-19, elas são altamente recomendadas para proteger você de outras doenças respiratórias.

 

Fonte: https://www.paho.org/pt/